Aventuras de um casal na Tailândia

Aventuras de um casal na Tailândia

Aventuras de um casal na Tailândia

A 1000 km/h, num ritmo alucinante, Banguecoque apresenta-se como uma ilha de modernidade e tecnologia na Indochina, no entanto, os traços asiáticos mantêm-se presentes. Os carros voltam a dominar as estradas, deixando as motas para segundo plano. Pé ante pé, a recusar os «Tuc-Tuc» constantes, em quatro noites e cinco dias sob um sol intenso, palmilhamos as ruas desta cidade cheia de vida.

Ficamos alojados junto à famosa Khao San road que faz jus à sua fama. Por aqui podemos comprar de tudo. Desde roupa, comida (hambúrgueres, Kebabs, ou mesmo escaravelhos e grilos que acabámos por provar), telemóveis, MP3, diplomas ou cartões de identificação falsos (feitos na hora por menos de cinco euros), e muito mais… Mas esquisito mesmo, é o facto de muitos homens aqui em Banguecoque se vestirem como mulheres. E acreditem, conseguem enganar o olho mais treinado. Não entendemos bem porquê, mas a quantidade de travestis que vemos no dia a dia é incrivelmente elevada.

Alugamos bicicletas e “lutamos” contra o trânsito de hora de ponta. Durante umas horas pedalamos e suamos pelas ruas da capital tailandesa. De vez em quando lá aproveitávamos a «boleia» de um Tuc-Tuc e seguíamos agarrados, tais quais passageiros ilegais. Os condutores riem-se para nós. Por aqui toda a gente sorri. Percebemos que a boa disposição do Sudeste Asiático mantém-se como regra.

Banguecoque é daquelas cidades onde encontramos praticamente qualquer coisa que queiramos comprar. Infinitas lojas de rua, centros comerciais enormes, e muitíssimos mercados, um dos quais, um dos maiores do Mundo, o Chatuchak, que só funciona aos finais de semana.

A cadeia de lojas de conveniência «7 eleven», que normalmente marca presença nas cidades Norte-Americanas e Japonesas, está muitíssimo bem representada na Tailândia, com cerca de 4000 lojas. Em Banguecoque, há praticamente uma loja por quarteirão… Fizemos questão de visitar muitas delas, umas vezes para comprar umas águas fresquinhas, outras só para usufruir do ar condicionado que nos dá uma mini-folga das temperaturas abrasadoras (para terem uma ideia hoje estão 37º C).

No segundo dia em Chiang Mai inscrevemo-nos num curso de culinária. Foi um dia muito bem passado a cozinhar e a comer… Começámos de manhã no mercado local a comprar os ingredientes para confecionar os nossos pratos. De seguida fomos para a quinta nos arredores da cidade, onde colhemos os restantes ingredientes. Aprendemos a confecionar alguns dos mais típicos pratos da famosa cozinha Tailandesa: Caril, sopa de coco, Pad thai, Mango sticky rice entre outros. Simples, rápido de confecionar, muitíssimo saboroso. A Ana Rita «construiu» pratos ótimos. O André «destruiu»… Vamos ver se em casa conseguimos pôr em prática o que aprendemos.

Texto: André Maduro, autor do blogue Eu, tu e o mundo


(Se quer partilhar a sua história envie email para aproximaviagem@worldimpalanet.com)
 

Compartilhe o artigo

Top